domingo, 30 de abril de 2017

CANCRO DA MAMA - PRIMEIRO TRATAMENTO DE QUIMIOTERAPIA



(30 de Abril de 2017)


Sinto que a verdadeira guerra à doença começou agora. O primeiro tratamento de Quimioterapia correu bem e não foi doloroso, o ambiente era bom, as pessoas atenciosas, o ter companhia, um telemóvel  e um livro para ler ajudou a passar o tempo duma forma quase que agradável.

A cirurgia já passou e o organismo já recuperou quase na totalidade. Agora temos uma luta de poucos meses pela frente __ a Quimioterapia... Uma boa aliada, mas que vai implicar algumas batalhas. Para as quais temos outros aliados: a medicação específica, uma atitude positiva perante a situação, o apoio de quem está connosco, cuidados com a alimentação, higiene, exercício físico, descanso e resguardo de situações que possam provocar infecções ou hemorragias...

Na primeira noite vomitei, tive um pouco de diarreia, mas tudo passou, com ajuda de medicação específica. Apesar de ter tomado nos dois primeiros dias cortisona para evitar situações alérgicas, sinto a pele da cara e pescoço vermelha e quente, algum cansaço... de resto está tudo bem. Para já, foram estes os efeitos secundários do tratamento de Quimioterapia que não só irá actuar sobre as potenciais células cancerígenas como também sobre as células saudáveis, como é o caso dos glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e plaquetas sanguíneas. Daí que seja necessário utilizar-se, para compensar, um medicamento que estimule a medula óssea a produzir glóbulos brancos e glóbulos vermelhos por via subcutânea.



Esta será a verdadeira guerra a travar daqui para a frente, tentar repor, o mais rapidamente possível, as células sanguíneas destruídas pelas substâncias utilizadas para destruir as células cancerígenas e evitar as consequências da diminuição dos glóbulos brancos, dos vermelhos e das plaquetas sanguíneas. Para isso, hoje, no dia 3 a contar do início do tratamento, já fiz a primeira injecção do medicamento estimulante da actividade da medula óssea que se repetirá por mais quatro dias. Assim, a capacidade de produção daquelas células essenciais para a defesa do organismo, transporte do oxigénio e coagulação do sangue será aumentada. Até que ao fim de 21 dias o organismo deva estar pronto para receber uma nova carga de Quimioterapia que destrua as células cancerígenas (que são células de divisão rápida), começando-se então um novo ciclo de tratamento. O número de ciclos de tratamento varia consoante a situação concreta, no meu caso, serão cinco ou seis ciclos de tratamento. O primeiro já começou!... 

  




sexta-feira, 28 de abril de 2017

CANCRO DA MAMA - PRIMEIRA SESSÃO DE QUIMIOTERAPIA e o "ICE CAP"




(Fundação Champalimaud - Abril / 2017)


Salvo alguns percalços de coordenação, decorreu tranquilamente. O ambiente muito simpático, o facto de se ter acompanhante e o bom atendimento, tornaram tudo mais simples.




A medicação é administrada por via endovenosa através do soro. Para isso, está-se sentado num cadeirão, onde o soro com os fármacos adequados vai entrando lentamente na veia através do cateter. É um processo lento __ duas horas e meia de tratamento. Mas, no meu caso, foram quatro horas ali sentada por causa do "ice cap" (capacete gelado) o que acrescentou 30 minutos antes da medicação e uma hora depois da mesma já sem o soro.


(Aparelhagem com uma das toucas do "ice cap" - dá para dois pacientes em simultâneo)


O  uso do "ice cap" é uma tentativa para atrasar ou evitar a queda de cabelo caso este venha a ter tendência a cair devido à administração da quimioterapia. No fundo, é um mecanismo que faz gelar o interior de uma touca que, no meu caso, foi aplicada durante quatro horas, ou seja, nos 30 minutos anteriores ao tratamento, nas duas horas e meia da fase de tratamento e na hora seguinte.


(O "ice cap" é um mecanismo aparentemente simples)


Como atua?! A temperatura baixa faz com que os vasos sanguíneos se contraiam. Com espaços mais estreitos, a quantidade de medicação que chega até à raiz do cabelo é menor. Assim, o seu efeito também é menor.

O tratamento é indicado para vários tipos de cancro. A touca pode ser utilizada tanto por homens quanto por mulheres. Não é só para o cancro de mama, mas para outros tipos de tumor. Só se evita usar em pacientes que têm, por exemplo, linfoma, leucemia, que são cancros da corrente sanguínea, de acordo com a explicação do oncologista Marcelo Cruz.

A pergunta agora é __ será que realmente fica resolvido o meu problema da queda do cabelo? O futuro o dirá... Nos próximos tratamentos se verá.





quinta-feira, 27 de abril de 2017

CANCRO DA MAMA - COMO ENFRENTAR O ASPECTO EXTERIOR



(Fundação Champalimaud- Abril/2017)


Um turbilhão entra na nossa vida. Queremos vencer a doença mas a cura passa por uma série de percalços que teremos de ir transpondo dia a dia. Há os fármacos e comportamentos que ajudam a ultrapassar indisposições e até alterações físicas que se esperam, mas o aspecto exterior também é importante.


(Imagem retirada da NET)

Há quem assuma e não se importe, caso tenha que rapar o cabelo. Mas, se calhar, para muitas de nós isso não é tão fácil assim. Pois é, ainda será cedo para se pensar nisto, mas a quimioterapia está aí e os seus resultados não se farão esperar. Para além disso, a escolha da cabeleira deve ser feita tanto quanto possível antes da queda do cabelo. 

Com o docetaxel, a queda de cabelos e sobrancelhas é previsível, daí que deste já seja uma preocupação. É verdade que o que  importa é que se erradique complectamente a doença, mas a parte estética também conta... E, prepararmo-nos para a ultrapassar também será importante desde logo, sobretudo se optarmos pela solução da cabeleira que pode levar algum tempo a conseguir.




(Imagem retirada da NET)

Fomos à procura de soluções e não foi difícil encontrá-las. É mais um assunto resolvido nesta caminhada de ir combatendo dia a dia a situação... As ofertas são várias. Umas mais dispendiosas do que outras. Lenços e turbantes bonitos são uma solução para a queda do cabelo que estará ao alcance de todas as mulheres.




As cabeleiras são mais dispendiosas. Há-as em muitas casas e clínicas da especialidade, no próprio IPO (Instituto Português de Oncologia) em Lisboa. Cabeleiras sintéticas são uma opção satisfatória, do meu ponto de vista, e mais acessível.



Mas as cabeleiras de cabelo natural são o ideal. Também aqui os preços variam. Há as feitas por medida e modelos standard. Mas o seu aspecto é extremamente bem conseguido.


(Imagem retirada da NET)

Quanto à queda das sobrancelhas também há soluções satisfatórias __ a micropigmentação que desenha a sobrancelha por um tempo relativamente largo. Não será uma solução 100% conseguida mas ajuda a manter a expressão. Também aqui a oferta é bastante grande. Faz-se tanto em clínicas de saúde e imagem como é o caso da Careclinic, como em cabeleireiros ou casas de artigos de  beleza como a Sephora... 


Toda esta disponibilidade, nos pode ajudar a sentir-mo-nos mais confiantes e a começar os tratamentos com mais ânimo.  



terça-feira, 25 de abril de 2017

CANCRO DA MAMA - EXAMES PRÉVIOS




Fundação Champalimaud - Abril / 2017



Antes de começar com os tratamentos de quimioterapia, há que fazer três exames prévios __ raio-X ao tórax, ecografia abdominal alta e cintigrafia óssea. Faz parte do procedimento normal para se verificar se há existência de metástases das células provenientes do cancro da mama que se podem instalar respectivamente nos pulmões, no fígado ou nos ossos. 





(Imagem retirada da NET)



O raio-X e ecografia já tinha feito e sabia o que era. Mas, para saber o que era uma cintigrafia óssea, fui consultar a NET. O que me foi útil porque fiquei a saber, por exemplo, que tinha que tirar a aliança, tarefa pouco fácil já que ela me está demasiado justa. Isto porque antes de efectuar uma cintigrafia, o/a doente deve retirar todos os objectos que possam interferir com a detecção da radiação (por exemplo: jóias, relógio, pulseiras, etc..).

As cintigrafias são exames realizados frequentemente para a detecção de cancro, para verificar se o cancro se disseminou (metastizou) para outros órgãos como os ossos ou o fígado, bem como para avaliar da eficácia de um tratamento efectuado contra o cancro. A cintigrafia óssea, por exemplo, é muitas vezes realizada para procurar identificar sinais de um cancro que tenha metastizado para os ossos a partir de outro local do corpo como é o caso do da mama.

Fiquei também a saber que de um modo geral, uma cintigrafia é um exame feito em regime ambulatório, num hospital ou em instalações apropriadas para o efeito (Serviços de Medicina Nuclear). Que a realização deste exame não implica uma preparação prévia e que utiliza a administração endovenosa de um radiofármaco, que permite que, cerca de 2 horas depois, sejam obtidas as imagens na Câmara Gama (durante 20-30min). Naquele período de espera o doente não necessita permanecer no Hospital, devendo apenas manter uma boa hidratação e micção frequente. E, finalmente, que o tempo total do exame varia entre 3 a 4 horas, o que nos permite organizar melhor o nosso tempo.

Outro aspecto que nos importava saber também era o das consequências da substância radioactiva utilizada. Ficámos a saber que os radiofármacos usados nas cintigrafias são seguros e rapidamente eliminados do organismo. E que o nível de radiação envolvida é da mesma ordem de grandeza, ou inferior, que o de algumas radiografias convencionais. Porém, durante o dia após a administração da substância, há que ter o cuidado de evitar o contacto com mulheres grávidas e crianças pequenas.

Assim, estou sossegada e preparada quanto ao que me espera para este exame que falta. Não há dúvida de que as informações que hoje nos estão disponíveis na NET são cada vez mais precisas e úteis. Permitindo-nos estar a par até mesmo de aspectos mais técnicos que se tornam compreensíveis mesmo para o utilizador comum. O que é bom, embora tivessem tido o cuidado de nos dar toda a informação necessária a quando da marcação deste exame.





sexta-feira, 21 de abril de 2017

DIÁRIO DA VIDA DE UM CÃO - 1ª TOSQUIA DE SCHNAUZER









Pois é, entrei um bebezão peludo e saí um verdadeiro Schnauzer.

Começou-se pelo Stripping arrancando os pêlos velhos com um pente próprio e só depois é que se fez o acerto com a máquina e a tesoura. Tem que se arrancar os pêlos velhos para que com o tempo a pelagem não comece a ficar acinzentada, para além de eliminar aqueles pêlos que podem causar prejuízo à pele uma vez que quase não caiem naturalmente.

Demorámos cerca de duas horas apesar do meu pequeno tamanho. Não foi propriamente do meu agrado mas suportei bem a tosquia. Tosquia que não é muito fácil encontrar quem faça.





A primeira sensação da minha dona, à medida que ia sendo tosquiado, era de uma certa estranheza. Mas, no final, acabou por ficar bem... Estou mais cão!



Abril de 2017





quinta-feira, 20 de abril de 2017

DESINTEGRAÇÃO DA PERSISTÊNCIA DA MEMÓRIA DE DALÍ (ADAPTAÇÃO)




Adaptação do quadro de Dalí - "Desintegração da Persistência da Memória" - Acabado em Abril/2017 (*)


Finalmente pronto... O tempo pode ser marcado pelo antes, durante e depois de alguma coisa... Este quadro é o símbolo de uma AMIZADE de anos (por isso e para isso foi pintado). Dalí é um pintor que exerce um fascínio grande sobre os jovens. Copiá-lo e adaptá-lo quase que é um sacrilégio. Tentar dar-lhe uma interpretação a nosso contento, um atrevimento. Mas, mais uma vez, foi a concretização de uma vontade e de um gosto. 

Finalmente pronto, é também a marca de um tempo que agora começa e fica em suspenso, já que o tempo é relativo. Passa rápido ou lentamente mas depressa se desintegra.

É isso, agora começa uma nova etapa.  Um tempo que se tem de ultrapassar com coragem, força e determinação. Pura coincidência, mas este quadro fica na memória de agora ter sido acabado, concretização de uma vontade e de um desejo, mas também marca de um tempo que passou e de um futuro-presente que não se adivinha fácil, mas que há-de ser vivido com uma vontade e um desejo de ser forte e vencer o que se tem de enfrentar.  




"Desintegração da Persistência da Memória" - original de Dalí





CANCRO DA MAMA - NOVA ETAPA: QUIMIOTERAPIA COM DOCETAXEL



Fundação Champalimaud



Manhã cedo. Aos poucos as pessoas vão chegando. Os funcionários vão-se dirigindo para os seus postos. Os computadores vão sendo ligados. Acabam-se as últimas limpezas dos espaços que, por agora, estão quase vazios de gente, mas cheios da esperança num novo dia que agora começa e que significa a espera de um tratamento que há-de trazer melhoras para quem dele precisa.




Chegámos cedo. Alguma ansiedade na espera desta primeira consulta de Oncologia. Hoje, vamos saber em concreto quais os passos a seguir. Não vai ser fácil, mas sente-se que há uma equipa inteira pronta a ajudar. Medição dos sinais vitais e a consulta propriamente dita... Ficou estabelecido que antes da Radioterapia terei que fazer Quimioterapia TC (com Docetaxel e Ciclofosfamida).




O tratamento de Quimiotarepia vai ser com Docetaxel. É feito um aconselhamento detalhado e cuidado daquilo que se espera. Para já, fiquei assustada com os efeitos secundários que são vários: A tão temida queda de cabelo que poderá ser minimizada com a utilização de um capacete de gelo colocado um pouco antes, durante e após duas horas da administração do fármaco; enjoos; formigueiros nas mãos e pés; retenção de líquidos e aumento de peso; reacções cutâneas; efeitos nas unhas que ficam enfraquecidas; aftas; alteração do paladar; diarreia; dores musculares e articulares; cansaço extremo; são um sem número de reacções que, para já, assustam... Mas todas estas situações podem ser atenuadas com certos cuidados e procedimentos, como é o caso da injecção do Filgrastim, que se faz em certos dias dos ciclos de tratamento que são feitos de 21 em 21 dias, para estimular a medula óssea a produzir mais rapidamente glóbulos brancos e vermelhos para repor os que são destruídos pelo próprio tratamento. Assim, antes de cada tratamento, há que fazer uma análise para saber se o nível de glóbulos é suficiente para que possa ser ministrado sem riscos.

São quatro, cinco ou seis ciclos. Por isso, pelo menos até Julho, terá que ser... Depois, se verá.



(Fotos tiradas em 20/4/17)





segunda-feira, 17 de abril de 2017

A ERICEIRA NUM DOMINGO DE PÁSCOA





Praia da Calada

Praia da Calada, situada a norte da vila da Ericeira, como tantas outras desta zona, fica aninhada na zona costeira alcantilada onde acaba a terra e começa o mar... Os acessos são fáceis e bem preservados... As infraestruturas bem planeadas esperam o Verão que há-de vir.



Marisqueira "Viveiros do Atlântico" em Ribamar - a norte da Ericeira

Ao longo da zona costeira, os restaurantes típicos com bonitas vistas sobre o mar oferecem uma variedade de pratos em que o marisco é rei. O movimento é constante e, em dias como um Domingo soalheiro de Páscoa, encontrar mesa não é fácil, se não se reserva e vai cedo.






Praia dos Pescadores - Ericeira

 

Praia dos Pescadores no centro da Ericeira... Praia com história onde embarcaram, a 5 de Outubro de 1910, no iate D. Amélia, D. Manuel II, juntamente com sua mãe a rainha Dª Amélia e sua avó a rainha Dª Maria Pia, na sua fuga para o exílio a quando da Revolução Republicana...








Centro da Vila da Ericeira


A Ericeira, hoje, bem cuidada, dá as boas vindas a um grande número de visitantes nacionais e estrangeiros que para lá se dirigem em busca do sol da Primavera e Verão que torna esta vila muito antiga num local aprazível para se estar e visitar. Os hotéis e "hostel" são muitos e variados. As ruelas calcetadas e pedonais com fachadas de muitos edifícios e casas enfeitadas com painéis de azulejos ou relevos coloridos de azul, as lojas de artesanato, os jardins e pracetas bem tratados, uma marginal bem característica, bares, restaurantes, tasquinhas, esplanadas, criam todo um ambiente de lazer e praia que convida a um passeio até mesmo em dias de sol de Inverno...





(Fotografias tiradas em 16/4/17 - Domingo de Páscoa)





quarta-feira, 12 de abril de 2017

UM PASSEIO À BEIRA MAR



S. Pedro - Cascais /Portugal


"Homem livre, o oceano é um espelho fulgente
Que tu sempre hás-de amar. No seu dorso agitado,
Como em puro cristal, contemplas, retratado,
Teu íntimo sentir, teu coração ardente."(...)

("O Homem e o Mar" de Charles Baudelaire)





No remanso do fim de tarde, Cascais ao fundo, damos uma volta à beira mar



Sempre defronte de nós o mar azul, o mar imenso, o mar sem fim, todo igual e azul até ao horizonte...





Em terra sentamo-nos a ver... A ver o que patos, pombos e gaivotas descortinam quando voam alto nos céus. E, apesar de não termos asas, também nós podemos voar aonde nos leva a nossa fantasia...






Cascais ao fundo

Vemos o sol morrer num clarão de fogueira, incendiando o céu, metalizando o mar...


Estuário do Tejo


Vemos partir os paquetes para o alto mar, só entre o céu e o mar, longe do mundo e  demais criaturas, algo que nos deixa a sonhar com aventuras imaginárias ou passadas... Sim... Também com eles partimos em sonhos de futuro, quem sabe talvez um dia?!...